contador de visitas gratis
  • PROMOÇÃO DE BATERIAS MOURA 

  • TROCA DE ÓLEO DE MOTOR 

  • CATALISADORES ORIGINAIS

  • PASTILHAS DE FREIO ORIGINAIS 

  • ALINHAMENTO E CAMBAGEM

  • LIMPEZA DE BICOS INJETORES

  • ESCAPAMENTOS MASTRA 

  • INJEÇÃO ELETRÔNICA

  • PRÉ-INSPEÇÃO VEICULAR

  • RADIADORES PARA IMPORTADOS

  • MECÂNICA GERAL

  • AMORTECEDORES COFAP

  • SERVIÇOS DE SUSPENSÃO

  • DISCOS DE FREIO P/ IMPORTADOS

  • PNEUS NOVOS PIRELLI

  • TROCA DE CORREIAS DENTADA

  • RETÍFICA DE MOTORES

  • DIAGNÓSTICO COMPUTADORIZADO

 

Além de mais barulho para seus ouvidos e para os outros motoristas, rodar com carro com escapamento furado pode provocar falhas e até aumento do consumo de combustível. Isso mesmo, se você percebeu aquele furinho no silenciador, procure uma empresa para fazer a troca da peça. E logo.

 

O funcionamento dos motores de hoje em dia são influenciados pela chamada taxa de contra-pressão dos gases, ou seja, o nível de gases que sai pelo sistema de exaustão dos carros. Se alguma peça do escapamento está danificada, sejam os canos ou os silenciadores, há uma mudança nessa taxa. A alteração pode provocar variações nos motores, principalmente falhas na marcha lenta, o que resulta em mais consumo de combustível.

 

“Quanto mais próximo ao motor for o dano no sistema de escapamento, mais prejudicial é ao funcionamento do carro”, observa Valdecir Rebelatto, gerente de engenharia da Mastra Escapamentos e Catalisadores.

 

Por isso, nunca o veículo deve rodar com escapamento furado ou quebrado, mesmo que o estrago seja pequeno.  Além dos defeitos aparentes, as peças podem sofrer avarias internas que comprometem o seu funcionamento. Um jeito de testar é balançar os silenciadores, preferencialmente com o carro levantado. Se a peça estiver corroída por dentro, ela vai fazer um barulho, como se tivesse algo frouxo dentro. É hora de trocar.

 

Mesmo sem furos ou quebraduras, é aconselhado revisar o sistema de escapamento pelo menos a cada seis meses, indicam os especialistas. A checagem vai avaliar se as borrachas, coxins e abraçadeiras que seguram as peças metálicas do sistema de exaustão estão em perfeitas condições. Como as borrachas ficam próximas a altas temperaturas, elas podem romper e provocar a queda do escapamento.

 

“Acontecem muitos casos de canos que quebram porque as borrachas cederam. Se fosse feita a revisão, o motorista gastaria menos de R$ 2 na borracha e economizaria um valor bem maior no escapamento”, diz Rebelatto.

 

O sistema de escapamento nos carros que circulam no Brasil geralmente é formado por quatro partes: coletor, catalisador (mais próximo ao motor), silenciador intermediário e silenciador traseiro. Qualquer uma que estiver danificada interfere na contra-pressão dos gases. O que mais estraga é o silenciador traseiro, mais visível atrás do carro, por ficar mais longe do calor do motor e, por isso, reter mais água.

 

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or